Trata-se de uma forma cooperativa e co-evolucionária de buscar o melhor das pessoas, de suas organizações e do mundo ao redor delas. Envolve a descoberta (daí o nome “investigação”) sistemática do que dá vida a uma organização, o que chamamos de núcleo positivo, nas situações de maior efetividade e capacidade. Busca-se as possibilidades positivas, porém desconhecidas, inexploradas em cada organização ou comunidade.
Na Investigação Apreciativa, a intervenção cede lugar à investigação, imaginação e inovação. Ao invés de negação, críticas e diagnósticos complicados, há descoberta, sonho e desenho de possibilidades. Envolve a arte e a prática incondicional de fazer perguntas positivas que fortalecem a capacidade do sistema de antecipar e explorar potenciais positivos. Através de Investigação Apreciativa, centenas ou até milhares de pessoas podem ser envolvidas em co-criar seu futuro coletivo, em transformações organizacionais de larga escala.
Normalmente é implementada através de séries de entrevistas e diálogos em todos os níveis da organização e alguns momentos de encontros maiores. Ao invés de perguntarmos “o que está errado” perguntamos “o que é possível”.

É uma metodologia diferenciada e inovadora utilizada em processos de desenvolvimento organizacional, planejamento estratégico e gestão da mudança.

Desenvolvida por David CooperriderRonald Fry (Case Western Reserve University). Utiliza as forças das equipes e organizações para obter resultados superiores. É o método utilizado no Pacto Global das Nações Unidas e tem sido utilizada amplamente pela FIEP, organizações públicas, sociais e privadas e escolas de negócios. Uma referência da sua aplicação é a empresa Nutrimental, de São José dos Pinhais/PR.

Na Investigação Apreciativa:

  • Todo o sistema envolvido participa incluindo a maior diversidade de pessoas que importam para o seu futuro. Elas se reúnem para dialogar sobre o tema/tópico afirmativo;
  • Cenários futuros são colocados numa perspectiva histórica e global. Isso permite compreensão compartilhada e comprometida, aumentando o potencial para ação;
  • Os participantes autogerenciam seu trabalho e utilizam a investigação como ferramenta principal. Isso garante maior descoberta e criação de ações e projetos do que discursos e resultados predeterminados;
  • O denominador comum é a referência. Isso significa que podemos descobrir oportunidades para ação a partir de imagens comuns e compartilhadas do futuro que a maioria deseja construir, criar;
  • O processo de investigação apreciativa resulta num compromisso para a ação. Como coprojetistas, dialogamos e construímos as coisas que queremos criar individualmente ou em parcerias.

TÓPICO AFIRMATIVO

A primeira etapa da Investigação Apreciativa é a escolha do Tópico Afirmativo, o tema sobre o qual será desenvolvido o ciclo dos 4 Ds. Baseia-se nas seguintes premissas:

  • Palavras criam mundos – Sobre o que dialogamos na organização? Sobre problemas ou possibilidades? ;
  • As organizações movem-se na direção daquilo que estudam – O que investigamos em nossa organização? Arrumar o que está errado ou potencializar nossos pontos fortes, nossas forças? ;
  • As perguntas que fazemos determinam o que encontramos. Se mudarmos o que investigamos podemos ter resultados diferentes e melhores do que estamos tendo;
  • Emoções positivas ampliam o pensamento e a ação;
“Existe apenas duas maneiras de viver sua vida. Uma é acreditar que nada é um milagre. A outra é acreditar que tudo é um milagre.”
Albert Einstein
 
DESCOBERTA DAS FORÇAS 
Feita a partir das histórias memoráveis dos participantes em relação ao tema
 
DREAM – MATERIALIZAÇÃO DO SONHO
Apresentação do sonho comum, desejo positivo e desafiador dos participantes para a organização num futuro definido
 
DESIGN – DESENHANDO COMO ALCANÇAR O SONHO 
Construído por meio de prototipagem rápida, brainstorming, 5W2H ou outro modelo de construção de plano de ação utilizado pela organização
 
DESTINY – IMPLEMENTANDO O PLANOEtapa de implementação, acompanhamento, monitoramento, avaliação de resultados.

Utiliza-se as ferramentas e técnicas da organização para implementação e acompanhamento de planos de ação.